A atividade da Zona Euro sobe ao nível mais alto desde 2000


© Reuters.

Por Alessandro Albano

Investing.com – A atividade económica da zona euro indica, neste mês de Julho, o crescimento ao ritmo mais rápido em 21 anos, à medida que os mercados reabrem gradualmente das restrições relacionadas com o Covid-19. Isto foi declarado pelo IHS Markit nos inquéritos do PMI divulgados na sexta-feira.

A expansão recorde de 15 anos na atividade terciária, adverte o IHS, foi, contudo, atenuada por um abrandamento no crescimento do fabrico ligado em muitos casos a uma deterioração das cadeias de distribuição.

A confiança também foi afetada pela crescente preocupação com a variante Delta, levando o otimismo sobre os próximos doze meses ao seu ponto mais baixo em cinco meses, enquanto a procura mais uma vez ultrapassou a oferta, com os preços de venda de bens e serviços “a aumentar a um ritmo nunca visto antes de Junho”.

Olhando para os dados, a primeira estimativa do índice PMI Composto da Zona Euro, da leitura recorde de 15 anos de Junho de 59,5 pontos, subiu para 60,6, marcando o valor mais alto desde Julho de 2000 e elevando para quatro os meses consecutivos em que a atividade indica uma aceleração do crescimento.

A atividade no setor terciário aumentou para 60,4 de 58,3 no mês anterior, o mais alto dos últimos 15 anos (Junho de 2006), enquanto que a produção abrandou de 63,4 em Junho para um mínimo de 62,6 em quatro meses.

Entre os vários países, a Alemanha liderou esta subida, apresentando a expansão mensal mais forte desde 1998, com uma expansão sem precedentes no setor dos serviços e uma desaceleração na indústria transformadora. Por outro lado, a França reportou a sua taxa de expansão mais baixa em três meses, dado que o crescimento terciário abrandou, mas permaneceu um dos mais fortes em três anos.

De acordo com Chris Williamson, Economista-Chefe de Negócios da IHS, a Zona Euro “está a beneficiar do crescimento sustentado durante o verão, uma vez que a flexibilização das restrições anti-Covid-19 em Julho levou ao crescimento mais rápido em 21 anos”.

O sector terciário, em particular, beneficia de “maior liberdade de circulação devido a medidas de contenção mais fracas” e taxas de vacinação mais elevadas, “especialmente nos sectores da hospitalidade, viagens e turismo”.

O inquérito, adverte o economista, salientou “o grave perigo que a variante Delta representa para a economia futura”. De facto”, salienta Williamson, “o aumento dos casos não só reduziu o otimismo ao seu nível mais baixo desde Fevereiro, como novas ondas de Covid à escala global poderem desencadear mais atrasos na cadeia global de abastecimento, causando preços ainda mais altos.