‘Bond yields’ zona euro caem, mercado dividido entre cautela COVID-19 e reflação


© Reuters.

LONDRES, 11 Jan (Reuters) – Os rendimentos das obrigações da Zona Euro baixaram na segunda-feira, com os custos dos empréstimos alemães a descerem dos máximos de cinco semanas da semana passada, na expectativa de que o estímulo monetário se mantenha durante algum tempo, à medida que o bloco enfrenta uma nova variante do coronavírus.

Os custos dos empréstimos na zona euro subiram no início do novo ano, uma vez que os resultados da semana passada no Senado da Geórgia aumentaram as expectativas de mais estímulo orçamental sob o Presidente eleito Joe Biden, provocando um salto nos rendimentos do Tesouro dos EUA.

Na área do euro, esse aumento dos rendimentos das obrigações, resultante do chamado “comércio de reflação”, encontrou resistência à medida que os casos de coronavírus e as restrições rigorosas pesam sobre as perspectivas de crescimento económico e aumentam as expectativas de que o estímulo do Banco Central Europeu se mantenha por mais tempo.

Analistas da JPMorgan (NYSE:) afirmaram que os mercados obrigacionistas continuam apanhados num puxão de guerra.

“A expectativa de mais estímulos orçamentais nos EUA após a segunda volta das eleições na Geórgia, a eliminação do risco de cauda com um acordo Brexit e a dinâmica sazonal de oferta pressionam a maiores rendimentos de longo prazo e a curvas mais acentuadas”, disseram eles numa nota.

A maioria dos rendimentos das obrigações a 10 anos nas economias da zona euro com taxas de rendimento mais elevadas baixou 1 a 2 pontos base , .

O rendimento do Bund a 10 anos da Alemanha cai 2 pontos base em -0,53% , fora dos máximos de cinco semanas de sexta-feira em -0,51%.

(Por Dhara Ranasinghe; Traduzido para português por Patrícia Vicente Rua)