NOVA 1-PM português diz temos de desbloquear orçamento da UE e acordo de recuperação na próxima semana


© Reuters.

(Acrescenta com mais informação)

LISBOA, 2 Dez (Reuters) – A economia da União Europeia ficaria paralisada se nem o orçamento do bloco nem o fundo de recuperação para ajudar os países que lutam contra a pandemia do coronavírus fossem aprovados este mês, disse na quarta-feira o primeiro-ministro português António Costa.

O bloco está envolvido numa disputa com os membros Hungria e Polónia sobre as condições relativas ao Estado de direito que o bloco pretende associar aos fundos de recuperação.

“Na próxima semana temos realmente de ter este acordo”, disse Costa, cujo país irá deter a presidência rotativa do Conselho Europeu, de Janeiro a Junho de 2021, numa conferência de imprensa conjunta com o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli.

“O próximo Conselho Europeu deve aprovar os mecanismos necessários para ter um orçamento, um programa de recuperação e um quadro plurianual até 1 de Janeiro … Caso contrário, a actividade da UE ficará paralisada”, disse ele.

A União Europeia está a investigar os governos nacionalistas da Hungria e da Polónia por terem minado a independência dos seus tribunais e meios de comunicação social, e tinha procurado impôr condições para o desembolso de dinheiro da UE.

Por sua vez, eles mantiveram a sua posição depois de vetarem o orçamento da UE e os fundos de ajuda no mês passado, argumentando que tais condições de Estado de direito não podem ser associadas, a menos que o bloco altere o seu tratado fundador.

“Este não é o momento para discutir questões institucionais”, disse Costa, que defendeu a cláusula. “São necessárias respostas rápidas à pandemia, à crise económica e ao desemprego, não havendo tempo a perder nem novos adiamentos a fazer”.

Texto integral em inglês: (Por Catarina Demony e Sergio Goncalves, Editado por Andrei Khalip e Alison Williams; Traduzido para português por Patrícia Vicente Rua)