Pandemia começa a abrandar em Portugal, chefe de saúde apela à paciência na implementação da vacina


© Reuters.

Por Catarina Demony e Victoria Waldersee

4 Fev (Reuters) – A chefe de saúde de Portugal procurou na quinta-feira tranquilizar as pessoas zangadas com os atrasos das vacinas e com os saltos na fila dos que serão vacinadas, enquanto o número de novos casos diários de coronavírus e de mortes está a descer.

Durante a última quinzena, Portugal sofreu a maior média móvel de sete dias de mortes e novas infecções do mundo, atingindo níveis máximos em casos, mortes, hospitalizações e doentes internados em unidades de cuidados intensivos (UCI) no final de Janeiro.

Mas pouco mais de duas semanas após um confinamento a nível nacional, a propagação das infecções parece estar a abrandar. O país registou 7.914 novos casos na quinta-feira, menos de metade do recorde de 16.432 casos há uma semana.

As novas mortes e o número de pessoas hospitalizadas também diminuíram nos últimos cinco dias, embora o número de pessoas internadas em UCI tenha permanecido elevado. No total, Portugal registou 13.482 mortes e 748.858 casos.

Tal como outros países da UE, Portugal tem sido mais lento do que a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos a lançar vacinas, com histórias de pessoas a serem vacinadas antes da sua vaga atribuída, o que suscita fortes críticas.

“Todos serão vacinados – não podemos todos receber (uma vacina) no mesmo dia”. Há prioridades”, disse a directora de saúde pública Graça Freitas aos jornalistas. “As pessoas devem confiar no sistema. O sistema convidará toda a gente a ser vacinada”.

Vários presidentes de câmara e até a mãe de um padre foram vacinados no período em que apenas os trabalhadores de saúde da linha da frente, os residentes em lares e as pessoas com mais de 80 anos de idade deveriam receber uma vacina.

O partido da oposição PSD disse que os responsáveis deveriam enfrentar acusações criminais, uma vez que pesadas críticas vinham de deputados, sindicatos e cidadãos frustrados em relação aos que estão a saltar a fila.

“A fraude na vacinação mina a confiança dos cidadãos nas suas instituições”, escreveu o enfermeiro Mario Macedo no Twitter. “As vacinas são escassas. A fraude pode atrasar o objectivo de proteger os mais vulneráveis”.

O chefe da task force de vacinação de Portugal, Francisco Ramos, demitiu-se na quarta-feira, reconhecendo “irregularidades” no processo de selecção dos trabalhadores que devem ser vacinados no Hospital da Cruz Vermelha onde é o chefe executivo.

Num país de 10,3 milhões de pessoas, apenas cerca de 365.000 receberam até agora qualquer vacina, das quais quase 85.000 tomaram uma segunda dose.

O descontentamento com a vacinação atingiu os famosos pasteis de nata do país. Durante o fim-de-semana, uma unidade regional do serviço de ambulâncias INEM disse ter utilizado restos de vacinas COVID-19 para vacinar os trabalhadores de uma pastelaria ao lado do seu edifício na cidade do Porto – suscitando questões sobre a razão pela qual as vacinas não tinham ido para os trabalhadores prioritários.

Texto integral em inglês: (Por Catarina Demony, Sergio Goncalves e Victoria Waldersee, Reportagem adicional de Patricia Vicente Rua; Traduzido para português por Patrícia Vicente Rua)