Procura por dívida pública do Sul da Europa cai com mercados em baixa


© Reuters.

LONDRES, 12 Jun (Reuters) – Os ‘bond yields’ dos governos do sul da Europa subiram na sexta-feira à medida que os investidores venderam activos de maior risco depois das esperanças do mercado de uma recuperação económica terem sido anuladas por receios de uma segunda vaga de COVID-19.

Ao longo de Maio e no início de Junho, a procura de obrigações do Estado do Sul da Europa mais arriscadas aumentou e a procura pela segurança da dívida alemã diminuiu, à medida que os mercados se recompuseram no optimismo de que haveria uma recuperação económica.

Mas o optimismo de um sentimento ‘bullish’ nos mercados europeus de obrigações governamentais entrou em colapso na sexta-feira, na sequência de um ‘sell off’ de acções na quinta-feira que viu três grandes índices bolsistas dos EUA caírem mais de 5%. de meia dúzia de estados norte-americanos estão a lutar com um número crescente de pacientes com coronavírus a encher os leitos hospitalares, e as preocupações de que a reabertura da economia norte-americana possa desencadear uma segunda vaga de infecções. facto de, durante a transferência ‘risk-off’, o prémio de risco que as obrigações do Estado italiano (BTP) pagam não ter aumentado drasticamente, mostra que as compras de activos do Banco Central Europeu estão a apoiar a dívida mais arriscada.

A taxa de juro das obrigações do Estado italianas a 10 anos aumentou cerca de 3 pontos base para 1,47% às 0640 GMT , enquanto que a rentabilidade das obrigações do Estado portuguesas e espanholas a 10 anos aumentou menos de 1 ponto base , .

O ‘spread’ entre as ‘yields’ soberanas italianas e alemãs a 10 anos aumentou cerca de 2 pontos de base e está a caminhar para o seu maior aumento semanal em 8 semanas .

A procura pela dívida pública alemã mais segura aumentou, com o rendimento a 10 anos da Alemanha a baixar para -0,42% . O rendimento caiu cerca de 15 bps esta semana e está previsto para a sua maior queda semanal desde o final de Fevereiro.

Os investidores esperam mais informações sobre a proposta de fundo de recuperação do coronavírus a nível da UE. República Checa, a Hungria, a Polónia e a Eslováquia apoiaram o plano da UE quando se reuniram na quinta-feira, mas disseram que este não deveria favorecer os Estados maiores, mais ricos ou prejudicar os mais pequenos que geriram bem o surto. original em inglês: (Reportagem de Elizabeth Howcroft, traduzido para português por André Vitor Tavares em Gdansk Newsroom; Editado por Patrícia Vicente Rua em Lisboa)