‘Yields’ zona euro recuperam de mínimos de um mês após prolongamento das conversações Brexit


© Reuters.

LONDRES, 14 Dez (Reuters) – Os rendimentos das obrigações do governo da zona euro subiram de mínimos um mês na segunda-feira à medida que uma extensão de última hora das conversações de Brexit atenuou os receios de um divórcio confuso entre a Grã-Bretanha e a União Europeia.

Londres e Bruxelas concordaram no domingo em “ir mais longe” nos próximos dias para tentar chegar a um acordo comercial, apesar de faltar o seu último prazo para evitar uma saída turbulenta para a Grã-Bretanha da órbita da União Europeia no final do mês.

Isto foi suficiente para retirar os rendimentos das obrigações da zona euro de alta qualidade dos mínimos de um mês da semana passada, apesar de alguns países do bloco estarem a contemplar novas restrições de confinamento para contrariar o aumento dos casos de COVID-19.

“É vontade política nesta fase e não o que é possível, mas o que é claro agora é que nunca acabou realmente. Se não houver acordo, não saberemos realmente porque as conversações prosseguirão até ao último minuto”, disse Antoine Bouvet, estratega das taxas do ING.

Tanto as ‘yields’ da zona euro como do Gilt foram cerca de 1 a 3 pontos base em toda a zona, com os rendimentos a 10 anos da Alemanha R, a referência para o bloco, a subirem 1,5 pontos base em -0,623%.

Os Gilts britânicos a 10 anos subiram 2,5 pontos base em 0,20%, enquanto a Irlanda – o país da zona euro mais afectado pelo Brexit – viu os seus custos de financiamento a 10 anos subirem face ao mínimo recorde da semana passada para -0,31%. ,

Texto integral em inglês: Abhinav Ramnarayan; Traduzido para português por Patrícia Vicente Rua)